24 novembro 2018

" Luana Araújo " —Entrevista com Autores

Olá amados! Tudo bem com vocês? Desejo que sim. Estou trazendo uma super entrevista com a autora  Luana Araújo , uma entrevista incrível onde a autora conta um pouco mais sobre sua carreira e suas obras.







-Porque você escolheu esse gênero literário?
R= Fantasia sempre foi o gênero que mais me interessa, fugir da realidade e imaginar mundos novos e secretos, e junto a isso incluir um romance de tirar o fôlego que cria borboletas no estômago, então eu soube que queria escrever isso, criar meus próprios mundos e romances e fazer com que as pessoas possam encontrar um universo com o qual se identifiquem de alguma forma.

-Qual sua relação com os livros, digo como leitor(a)?
R= Livros são minha válvula de escape, eu gosto de me sentir tão imersa na leitura que acabo me sentindo parte daquele universo/história. Ler é um prazer insubstituível na minha vida.



-Sua maior dificuldade como escritora(o)?
R= Minha maior dificuldade foi encontrar meu próprio tom de escrita, levei anos para alcançar minha essência e poder dizer “isso é algo escrito inteiramente por mim”, e concluir Segredos sabendo que finalmente encontrei minha forma de escrita é maravilhoso. Ainda assim, tenho um longo caminho de aprendizagem pela frente, para desenvolver cenários e histórias cada vez mais críveis.

-O que sua família acha sobre  você ser escritor (a)?
R= Minha família não é ligada ao mundo da leitura, exceto por minha mãe que apesar de nunca ter sido motivada a ler, apresentar forte potencial de leitora (o que incentivo muito), mas apesar disso, minha família me apoia muito e torce pelo meu sucesso. Meu pai costuma dizer que é um sonho difícil de alcançar, e sei que como ele a maioria das pessoas ao meu redor pensa da mesma forma, afinal o que uma menina de cidade pequena e do interior pode fazer no mundo da literatura nos dias atuais? Entretanto sei que eles acreditam no meu potencial e desejam que eu alcance meu sonho, este pelo qual lutarei sempre.


-Já pensou em desistir de escrever?
R= Não. Como disse antes, escrever é algo muito importante para mim, não consigo mais me ver vivendo sem escrever meus romances e fantasias.

-Qual foi o momento em sua vida que você disse "isso está muito bom! Quero que todos vejam"?
R= Acho que é difícil você gostar completamente de algo feito por si mesmo, sempre existe a insegurança e aquela típica frase insistente “fulano faz melhor”. Mas quando terminei de escrever Segredos, pela primeira vez eu sabia que ele merecia ser lido.

-O que você sente enquanto escreve?
R= Sinto que sou apenas uma mensageira que traduz histórias mágicas que vivem dentro de mim. É engraçado, porque por mais que nós delimitemos o caminho e criemos as personalidades dos personagens, eles sempre encontram uma forma de criar vida e fazerem suas próprias escolhas. Essa é a coisa mais assustadora e fantástica de ser escritora.

O Que você acha de seus leitores?
R= Como sou uma escritora que publicou recentemente, não tenho muitos leitores, mas aos meus amigos que leram e me motivaram, sinto que eles fazem parte do meu universo. Sou muito grata a todos eles, e quero que todos os novos leitores se sintam felizes ao ler meus livros, e principalmente, que sintam que há muito amor em cada página.

-O que você de hoje, diria a você de antes?
R= Não tenha medo de errar, você vai errar muito antes de começar a viver sua aventura, mas você vai conseguir!

-Se você pudesse ser um personagem do seu livro, qual seria?
R= Eu gostaria de ser a Kate, primeiro porque ela tem um amadurecimento muito bonito, onde ela aprende o quanto as falhas fazem parte da jornada de qualquer herói, e segundo porque ela é o amor da vida de Clark, que é simplesmente o homem mais maravilhoso que eu poderia imaginar.

-Você inspirou-se em alguém para escrever um de seus personagens? 
R= Me inspirei no meu desejo de poder dar vida a um amor mágico.

-O que é mais difícil escrever o primeiro capítulo ou o último?
R= É difícil dizer, mas poderia definir da seguinte forma: o primeiro é o mais difícil para escrever em questões técnicas, porque você precisa fazer o leitor se interessar por aquela aventura, e o último é o mais difícil no sentido de que você, querendo ou não, está se despedindo de uma história que nasceu e cresceu dentro de você.

-De onde tirou inspiração para o título?
R= Bem, como a história é baseada em mistérios e segredos, o título é intuitivo e sugestivo.

-Qual personagem do livro você gostaria de trazer a realidade?
R= Gostaria de trazer todos, mas especialmente o Clark, eu realmente sou apaixonada por cada detalhe desse ser. A forma como ele se entrega pelo amor, como ele é bom (mesmo com suas falhas), como ele luta com determinação em relação ao seu caráter, nunca abandonando sua humanidade, e mil outros motivos.

-Se o seu livro fosse adaptado paras telonas do cinema, quais atores e atrizes gostaria que desse vida a seus personagens? 
R=  Para Clark, imagino Aleksander Skarsgard e para Kate, imagino uma modelo chamada Carolina Ciubotaru.

-Qual sensação de publicar um livro?
R=. É um misto emoções, alegria por poder compartilhar uma história com outras pessoas, amor por saber que uma história tão especial nasceu de você, medo das críticas e insegurança.

-O que você tem achado mais difícil desde que começou a postar seu livro?
R= A parte mais difícil é construir um público, como sou bastante desconhecida preciso do apoio de pessoas próximas para me ajudar com os esforços na divulgação da obra.

-Qual a pior e melhor critica que seu livro recebeu?
R= Como o livro foi postado recentemente não há como fazer essa análise, mas a pior crítica acredito que muitas vezes vem de mim mesma, que sempre acho que podia ter ficado melhor.

-Acha blogs literários importantes? Qual é a sua visão em relação a eles?
R= São extremamente importantes, não somente porque contribuem para a divulgação de autores e obras, mas como forte motivação de leitores, principalmente em um país que lê pouco. O crescimento dessa setor de criação de conteúdo, é um fator muito relevante e motivador para aqueles que se preocupam com a literatura.

-O que fazer quando os princípios, ideologias e pensamentos de um personagem, é contrária aos seus? Já modificou seu ideais por causa de um personagem?
R= É muito interessante ver essa diferença, você acaba analisando sua própria postura na vida, você para e pensa “será que eu faria a mesma coisa”, “isso é certo ou errado”. É muito importante não esquecer que o personagem não pode ser uma réplica de quem você é, então deixar que suas características morais sigam caminhos diferentes é uma forma de dar ainda mais liberdade ao personagem e aprender com os erros e acertos deles.

-"Representatividade Literária " o que essa palavra significa para você? Diria que sua obra, ou personagem se enquadra nesse quesito?
R= Dar espaço para a representatividade nas obras é essencial, acredito que é um dos maiores contribuintes para um futuro menos preconceituoso. Afinal, a literatura nos faz pensar, nos faz ir além dos limites impostos e a representatividade é isso, é abrir o coração e a mente para um mundo que sempre esteve ao nosso redor e nós só fechamos os olhos e condenamos porque o ser humano teme aquilo que desconhece (frase que Kate diz em Segredos). Trato de forma natural a representatividade nos meus livros, e em Segredos, não deixei de colocar um casal maravilhoso que representa essa força. Talvez no futuro eu conte a história desse casal.

- Pesquisas são importantes, para uma base de construção de histórias e personagens, você costuma pesquisar? E alguma vez uma pesquisa de determinado assunto mexeu com você mais que o esperado?
R= Pesquiso bastante, principalmente lugares (cidades, países) e um pouco da cultura local, também pesquiso sobre a fauna e flora. Para escrever Segredos eu aprendi algumas coisas sobre arquitetura, mas o que mais me deixa fascinada é conhecer lugares que nunca fui antes.

-O mercado literário se modificou bastante nos últimos anos, o que acha dessas mudanças, e quais impactos dela para você como escritor(a)?,E o que acha dessa influência atual em determinados temas/gêneros?
R= Há mudanças positivas e negativas, percebe-se que muitas editoras e lojas direcionadas a literatura tem fechado as portas, por outro lado, é notável que o investimento na leitura tem crescido, principalmente de material digital. Um outro aspecto que leva ao fechamento de editoras e lojas é o fator descredito ao trabalho dos autores, a população não se preocupa em comprar uma obra para ajudar o autor, pois não valoriza tanto a literatura quanto se espera. Quanto aos gêneros literários, o crescimento exponencial de livros hot é o maior destaque, essa leitura é fácil e cativa muitos leitores, e percebe-se também o crescimento no interesse por gêneros de representatividade.
Como autora, me preocupo com o valor com que as obras são tratas pelo público, e me firmo na esperança de que dias melhores virão. Quanto às mudanças nos gêneros, acredito que é importante seguirmos diversos trilhos, já chega da cobrança exacerbada de livros apenas de literatura crítica e vamos também valorizar a literatura de lazer, que em muitos casos, também traz reflexões importantes.

-"Machismo e Feminismo " são assuntos que são debatidos com frequência, e eu como leitora e blogueira acho que são de extrema importância, assim como o preconceito racial, e homofobia. Você tem preocupação com esses temas no momento de construção da sua história? E como lida quando de alguma forma esses temas se tornam cruciais para o livro?
R= Como escritora, penso que preciso ser uma influenciadora, e minha motivação é o amor e o respeito acima de tudo, debater sobre esses temas é bastante complicado e gera muitos debates, mas minha forma de mostrar o quanto o feminismo é importante é construindo heroínas fortes e que se descobrem sozinhas, com relacionamentos que não se baseiam em autoritarismo masculino, e também dando exemplos de que homens não precisam usar a constante máscara de virilidade e heterossexualidade inabalável que a cidade impôs. O preconceito racial também é algo que abomino, detesto o menor sinal de preconceito, e apresento isso da melhor forma que posso. Minha escrita valoriza a essência das pessoas, e gosto de deixar isso sempre evidente, não importa qual sua cor, raça, religião, todos somos seres humanos. Uma parte de Segredos é bastante significativa nesse sentido, quando um dos personagens analisa que não importa de qual espécie as criaturas são, todos estão destinados ao bem e ao mal, e é isso que precisamos enxergar acima de tudo.

-Já criou algum personagem baseado em alguém real?
R= Eu tentei colocar muito do Jongin (Kai do EXO) no Dylan (Segredos), inclusive imagino o Dylan com a mesma aparência.

-Qual citação favorita que já escreveu?
R= "As horas se arrastam até o amanhecer, ninguém consegue realmente descansar com a guerra tão perto, congelando nossos ossos, ferindo nossas mentes a ferro e fogo. Mesmo confiando na vitória, todos sabem que na guerra a esperança e a sorte nos abandonam, na guerra não há um lado certo ou errado, todos estão na mesma direção do precipício, defendendo seus princípios e crenças." - Katherine, Segredos.

-Planos para o futuro? Quais?
R=. Muitos. O primeiro deles é continuar escrevendo e lançar no próximo ano o romance “O jardim de rosas azuis” que terá como personagem principal uma mulher cadeirante e um homem com um passado trágico, e se passará no Brasil, em Belo Horizonte. E também pretendo, com o apoio dos leitores, publicar Segredos em formato físico.

-Como lida com as críticas?
É difícil ler algo ruim sobre algo que você fez com muito amor, mas desde que a pessoa me mostre algo que eu preciso melhorar, não como forma de atacar simplesmente, eu aceito e trabalho nisso, porque acredito que ninguém é perfeito ao ponto de não poder abrir a mente e o coração para enxergar o mundo de forma ampla.

-Me diz como conheceu o blog, e qual tem sido sua experiência até agora com ele.
Conheci o blog no grupo Wattpad Brasil, quando a Nay fez a divulgação do Concurso Crush Literário. A experiência tem sido ótima, o concurso idealizado pela Nay é muito significativo para quem está começando e agradeço a oportunidade. Também tem sido ótimo ter contato com outras autoras maravilhosas que estão participando do concurso.

-O que acha mais frustrante no meio literário?
Às vezes é difícil ver colegas agindo de forma arrogante, e também ver que existem muitos autores bons que não recebem reconhecimento. Acho que falta um equilíbrio nesse sentido.

-Tem ritual de escrita, cronograma ou algo do tipo?
A única coisa que faço é um ritual, não consigo escrever sem ouvir música. Quanto mais emocionante a música for para mim, mais a cena se expande e viaja entre as possibilidades. Quando estou frustrada, escuto uma música que me lembra o livro e pronto, logo a inspiração vem.

-Quais metas como escritor(a)? 
Escrever cada dia melhor, não cometer erros de tratamento com nenhuma minoria, ser alguém acessível aos leitores. Quero ser capaz de criar histórias cada vez mais significativas, seja para o coração, seja para o conhecimento. Não quero ser uma autora que faz o mesmo sempre, mas que se arrisca e aprende a desenvolver uma visão crítica, mesmo que eu prefira viver no mundo da fantasia.

-Bandas/Cantores favoritos? 
Michael Jackson, EXO e Bon Iver são os mais significativos para mim, mas tem muitos artistas musicais que contribuem muito para minha vida de escritora.

-Costuma ouvir música na hora de escrever?
Sim, sempre.

-Quantas obras tem ao total, publicadas e não publicadas?
Uma obra completa e publicada, outra em desenvolvimento, e mais quatro que virão em seguida.

-Já interrompeu leitura de algum livro, por conter tema que lhe incomodasse, ou por qualquer outra razão?
Geralmente não interrompo uma leitura, mas se me deparar com um livro que caminhe contra tudo que acredito, não terei pena de abandoná-lo.

-Qual momento até agora, foi o mais marcante em sua carreira?
O dia em que, depois de seis anos escrevendo, eu vi um livro pronto para ser lido.

-Qual sua relação com blogs literários? E qual sua opinião em relação a rixa entre blogueiros literários e escritores, autores acusando blogs de somente querer livros e blogs acusando autores de serem "canguinhas" em não querer enviar livros, marcadores e etc...   mesmo que atualmente seja menos frequente, o que acha que falta entre escritores e blogs, para que esse tipo de coisa seja evitada?
Além de escrever eu também tenho um blog literário, então eu acredito que há uma importância significativa na relação de autores e blogueiros. Acredito que o respeito precisa prevalecer, e que ambos os lados respeitem o trabalho do outro, pois ambos são importantes. Sem os blogueiros os autores têm dificuldade de divulgar, e sem os autores os blogueiros vão sempre trabalhar sem receber nada em troca. Por mais que ambos façam isso por amor, o reconhecimento é necessário.

-O que acha de blogs, igs e também de autores que entram no meio literário, só para ter fama, não por amor ou algo do tipo? E qual sua opinião em relação a acharem que a fama vem de imediato?
Acho que são pessoas que não conhecem o verdadeiro significado de escrever, e mesmo de trabalhar em um blog. Um autor precisa, antes de tudo, amar o que faz, até porque o sucesso pode nunca vir, e o mesmo acontece com os blogueiros, eles precisam ter consciência de que haverá muito trabalho e talvez nenhum reconhecimento. Acredito que tudo feito sem amor, não traz felicidade, apenas uma experiência vazia e troca monetária. A fama nem sempre é significado de qualidade, então é preciso aceitar que nem todos tem as mesmas chances e oportunidade, e também existem os casos de falta de autenticidade.

-Qual sua relação com os livros? (Digo como leitora) Qual gênero não pode faltar em sua biblioteca?
Os gêneros romance e fantasia fazem parte de quem sou, seja como influência na escrita, como na vida. Aprendo muito lendo a esses gêneros e me emociono muito em como é possível desenvolver histórias tão reais e tão impossíveis em muitas das vezes.

-Qual a pior e melhor coisa em ser escritora?
A melhor, sem dúvidas, é deixar nascer as vidas dos personagens, que são como filhos para mim. A pior, é nunca acreditar que escreveu bem o suficiente e também os momentos em que você parece ter “empacado” e que nada mais vai dar certo.

-De todas as suas obras, qual mais gostou de escrever?
Segredos é a primeira história concluída, então por muito tempo terá esse valor significativo para mim. Mas no futuro, quando meus próximos livros virem, que tal você me fazer essa pergunta novamente?

-Qual tema sente que não seria capaz de escrever? (Não por não ter competência, mas sim por abordar algum assunto delicado, ex: Violência doméstica, estupro, etc)
Definitivamente não escreveria um livro com temas que relacionem suicídio e estupro.

-Se pudesse ser um animal, qual seria?
Um pássaro, para poder voar pelo mundo (risos).


-Qual conselho para escritores que estão cada dia entrando nesse meio, e deseja ter seu livro publicado?
Não desista. Invista seu coração e sua determinação nisso, e mesmo que tudo esteja indo contra, não abandone o sonho. Aprenda com os erros e comece tudo de novo. Mas não tenha a literatura como sua única opção financeira, é preciso mais ver esse ramo como um universo à parte, no qual você pode ou não conseguir alcançar seus objetivos, assim você não se frustra como profissional e pessoa.

4 comentários:

  1. É muito lindo essa determinação que expõe perante os seus sonhos e o amor que coloca sobre sua escrita.Espero que conquiste o coração de muitos leitores 💗

    ResponderExcluir