05 julho 2017

"B. Kingsley"-Entrevista com Escritores(Maratona de Entrevistas)

Olá amadinhos! Tudo bem com vocês? Espero que sim. Então to trazendo uma maratona de entrevistas, serão entrevistas postadas , uma atras da outra, que e pra não terem tempo de dormir rs. Espero que gostem, fiz essa programação especial para vocês.

Agora vamos lá!

Anna B. Kingsley,  26 anos, nasceu no Rio de Janeiro, mas atualmente reside em  São Paulo. Juntou-se a plataforma digital wattpad em 10 de maio de 2016, tem uma obra publicada na plataforma, chamada de "Lobos e Dragões: O Filho do Dragão.
Perfil da escritora na plataforma wattpad: https://www.wattpad.com/user/abkingsley

Qual foi a primeira coisa que escreveu? (pode nos dar uma amostra?)
R= A primeira história que escrevi de que tenho lembrança foi com 6 anos e se chamava “A Galinha que Mentia”. Eu escrevi este conto para encenar para minha turma da escola, mas infelizmente não tenho a cópia do texto (minha mãe com certeza ainda tem em algum lugar).

-Qual sua relação com os livros, digo como leitora?
R= Sempre fui apaixonada por livros e tenho diversos deles de todos os gêneros e épocas. Meus pais possuem uma biblioteca em casa e meu pai, principalmente, é um estudioso de carteirinha. Ele sempre leu para mim desde que tenho lembrança e gravava fitas lendo e fazendo as vozes de meus livros favoritos para que quando ele estivesse trabalhando eu pudesse ouvir.

-Qual seu gênero literário favorito?
R= Fantasia, que é o gênero que escrevo, porém gosto muito de romances de época também (como Orgulho e Preconceito, por exemplo)

: -Sua maior dificuldade como escritora(o)?
R= Acho que a dificuldade de todo escritor é a insegurança de que seu trabalho irá conquistar o público para o qual ele foi escrito. Nunca temos certeza se a história tocará ao leitor como nos tocou, mas a paixão pela escrita nos faz vencer o medo e arriscar.

-Sua família sabe que escreve? (Todo mundo quer saber essa parte ha ha)
R= Sim, acredito que praticamente toda a minha família saiba hoje em dia. Tenho um bom incentivo dos meus primos inclusive.

-Já pensou em desistir de escrever?
R= Sim, pelo menos umas dez vezes por dia. Hahahaha
O trabalho de escritor é algo que dispende tempo, energia e muito, muito coração. Colocamos a alma em nossas obras e o reconhecimento muitas vezes demora a vir ou não vem da forma que esperamos. Mas eu não consigo imaginar minha vida sem a escrita, então continuarei a escrever mesmo que não haja ninguém para ler, porque é o que eu amo fazer.

-O que você acha que é preciso pra ser um bom escritor(a)?
R= Acredito que uma série de coisas, mas três são principais:
- Ser um ávido leitor. Os livros nos fazem conhecer lugares, viver outras realidades, conhecer outras culturas, expandir nossos mundos e imaginações. A paixão pelos livros é o que nos torna escritores num primeiro momento, não consigo imaginar alguém que possa ser um bom escritor sem essa paixão.
- Escrever sobre algo que você ame. Não adianta escrever histórias de época românticas, se sua paixão é o terror, porque você nunca conseguirá se entregar de coração àquilo e seu leitor perceberá isso. Dessa forma, é uma perda de tempo para ambos.
- Preparação. Ser escritor não é apenas sentar na frente do computador ou do papel e escrever uma história. Você pode, é claro, criar um rascunho da história dessa forma, mas para se escrever uma romance ou uma novela de qualidade é necessária muita pesquisa, foco, tempo, perseverança e conhecimento da língua (pode parecer óbvio, mas a quantidade de erros de português banais que vejo novos escritores cometerem é imensa e isso automaticamente gera descrédito).
-
-Na sua opinião, qual a principal função do escritor(a)?
R= Criar sonhos. Os livros desde o início da escrita tem inspirado pessoas a mudar suas realidades, lutar pelo que querem (seja para o bem ou para o mal). Está bem claro que muitos momentos de transição da história foram marcados por grandes obras. Os livros nos permitem sonhar que uma outra vida é possível, que podemos viver de outra forma, que podemos fugir às regras socialmente ou politicamente impostas, que nós podemos mudar nosso destino e vencer nossas próprias batalhas diárias. Para muita gente eles tem sido a luz no fim do túnel nos piores momentos de suas vidas. As palavras escritas tem muito poder e todo escritor deveria ter consciência da repercussão que suas obras podem vir a ter.

-Qual foi o momento em sua vida que você disse "isso está muito bom! Quero que todos vejam"?
R=  Acho que a primeira vez que realmente senti isso foi com o meu livro. A história dele na verdade nasceu de uma série informal de contos (em capítulos) para um blog em que eu era coautora. A série de contos foi recorde de leituras e comentários no blog, e foram os próprios leitores que pediram que a história se tornasse um livro. Eu comecei então a trabalhar o roteiro, fazer pesquisas históricas, estudar sobre as criaturas místicas e lendas ao redor do mundo, fazer pesquisas sobre cultura, língua, clima, flora, fauna, criar background para cada personagem e a ler muitos livros sobre o gênero que eu iria escrever, eu até mesmo fiz algumas aulas de romeno (minha personagem principal é romena) . Após um bom tempo desenvolvendo este trabalho eu finalizei o livro e depois de três revisões e a opinião de alguns betas eu fiquei feliz com o resultado e considerei que o trabalho estava pronto para ser lançado.

-O que você sente enquanto escreve?
R= Eu me sinto livre e poderosa. No livro eu posso colocar minhas ideias, inspirações, criar mundos, criaturas, destruir reinados. É como ter magia.

-O Que você acha de seus leitores?
R= Meus leitores são maravilhosos e mais do que isso se tornaram meus companheiros e amigos. Gosto muito de interagir com eles nas redes sociais e saber o que pensam dos personagens e da trama. Ouvir também o que eles acham que vai acontecer na história é bem divertido também.

-O que você de hoje, diria a você de antes?
R= Siga seu coração e não desista. Não vai ser fácil, mas vai dar certo.

-Se você pudesse ser um personagem do seu livro, qual seria?
R= Difícil. Acho que a Alex tem inegavelmente muito de mim, embora eu quisesse ter mais da força e da coragem dela muitas vezes, mas não sei se eu gostaria de passar por tudo que ela passa rsrsrs.

-Você inspirou-se em alguém para escrever um de seus personagens? Um possível amor talvez?
R= Na verdade não, meus personagens são como pessoas de verdade pra mim, são humanos como nós com todos os nossos dramas e alegrias, mas com suas características únicas. Não consigo imaginá-los em ninguém que eu conheça, embora uma característica física ou de personalidade possa coincidir com pessoas que eu já tenha visto ou conhecido.

-O que e mais difícil escrever o primeiro capitulo ou o ultimo ?
R= Provavelmente o primeiro. Saber por onde começar é o mais difícil.

-De onde tirou inspiração para o titulo?
R= O título dos três livros são baseados na profecia que rege a problemática da história. A série se chama Lobos e Dragões porque é a vertente das duas famílias da qual se originou o conflito.

-Qual personagem do livro você gostaria de trazer a realidade?
R= Quase todos (as meninas diriam o Lion que eu sei) hahahaha.
Mas seria muito legal ter uma amiga como a Mel. Ela é uma graça do seu próprio jeito e não consigo imaginar alguém que não goste da energia positiva dela.

-Se o seu livro fosse adaptado para as telonas do cinema, quais atores e atrizes gostaria que desse vida a seus personagens?
R= Não há muitos personagens que eu tenha atores em mente, gostaria de ver novos talentos nos papéis com certeza. Mas para o papel da Alexa eu gostaria muito da atriz e modelo Alina Kovalenka, que além de ser uma atriz nova e não tão conhecida, ela tem todas as características físicas da Alex, muita personalidade e é de uma nacionalidade mais exótica também. Para o papel do Lion eu gostaria muito do Brant Daugherty, acho que ele mostrou que consegue fazer esse papel de par perfeito e vilão ao mesmo tempo muito bem. A Melanie poderia ser interpretada facilmente pela Sarah Hyland, acho que ela ficaria perfeita nesse papel. Esses são os únicos que eu tenho alguma ideia em mente, mas também gostaria que os leitores me dissessem quem eles imaginariam para interpretar cada um.

-Qual sensação de publicar um livro?
R= É uma sensação mágica ver seu livro sair apenas da sua imaginação e vir parar lindo, diagramado e impresso com uma capa incrível na sua mão. Torna o sonho mais real.

-Em qual editora você quer publicar o seu livro? Você já tem isso em mente?
R= Meu livro atualmente já está publicado. Essa trilogia eu quis particularmente publicar de forma independente pela Amazon e Clube de Autores para não perder os direitos totais sobre as obras. Também tenho uma edição pela editora Bookess, que foi quem registrou o ISBN do livro no Brasil. Mas penso que no futuro seria um grande sonho poder publicar por uma grande editora como a Rocco, que tem várias obras que amo, ou mesmo outras tantas que preenchem minha estante hoje.

-Vai dedicar /Ou dedicou seu livro a alguém?
R= O meu primeiro livro eu fiz questão de dedicar a cada leitor, por acreditarem em mim, na minha história e dedicarem tempo a ela.

-O que você tem achado mais difícil desde que começou a postar seu livro?
R= Fazer o livro conhecido com certeza, quando se é novo autor é difícil ganhar espaço num mundo tão concorrido, e fazer com que a história chegue aos leitores é a parte mais difícil.

-Qual a pior e melhor critica que seu livro recebeu?
R= Eu ainda não recebi nenhuma crítica ruim, mas se alguém tiver estou totalmente aberta a ouvir rsrsrs
Não sei se consigo escolher uma melhor, pois todas as críticas que recebi até agora me deixaram extremamente feliz, mas gostei muito de ver que as pessoas de uma forma geral se identificaram muito com os personagens e entraram de cabeça na história vivendo todas as emoções com eles. Eles vivem no meu coração e fico feliz que também vivam agora no coração dos leitores.

-Acha blogs literários importantes? Qual é a sua visão em relação a eles?
R= Sim, com certeza. Os blogs literários permitem que conheçamos novas obras que muitas vezes por nós mesmos não iríamos ter ideia de que existiam ou que eram boas. Eu mesma já comprei vários livros baseada em resenhas de blogs que acompanho. Eu pessoalmente também tenho um blog literário por hobbie onde dou opinião sobre os livros que li e ajudo a divulgar tudo que acho legal. E como escritora gosto muito de ter contato com diversos blogueiros e saber suas opiniões sobre minha obra também. O feedback é muito importante.

-Sua opinião sobre a rixa que dizem ter entre escritores e blogueiros?
R= Para mim é uma grande besteira. Acredito que blogueiros e escritores fazem parte do mesmo time e deveriam estar trabalhando juntos para trazer uma literatura de qualidade para os leitores. Os blogueiros deveriam ajudar os escritores abrindo espaço para conhecer e divulgar seus trabalhos no mercado, assim os leitores teriam acesso a essa informação de forma mais fácil, que talvez apenas pelo autor eles não tenham. E da mesma forma, os autores deveriam ajudar os blogueiros seja como parceiros divulgando o trabalho deles, seja no papel de leitores, e até mesmo aceitando as críticas válidas que possam vir muitas vezes nas resenhas de seus livros como forma de aprendizado e crescimento. Uma briga de egos nunca levou ninguém pra frente.

-Como conheceu o blog "Amante dos Livros"?
R= Conheci a página por um acaso pelo Facebook que colocou como sugestão na minha timeline.


-Bom para mim e uma honra tê-lo(a) aqui, e o que você espera dessa nossa parceria?
R= Espero que possamos criar uma relação de respeito e companheirismo, dando uma contribuição mútua na divulgação do nosso trabalho. Seja com essa entrevista, ou mesmo com resenhas e outros projetos futuros.

-O mercado literário e um pouco difícil, vários gostos e opiniões, desejos diferentes. E um ponto que atualmente e muito debatido e sobre a representatividade. Qual a sua opinião sobre a "representatividade"?
R= Eu acho que a representatividade faz sim muita diferença. Acho que todos nós queremos ler um livro e nos identificarmos com aquele personagem, aquela situação, trazer lições para nossa vida. Sabermos que também somos capazes como eles. Como eu disse anteriormente, os livros podem ser uma luz no fim do túnel para muita gente, principalmente quando o(a) personagem principal se depara com uma situação parecida com a que estamos vivendo. Quando decidi me tornar escritora eu soube que queria que meus personagens fossem diferentes entre si e abrangessem várias características, personalidades, níveis sociais, culturais e etnias diferentes. Eu quero que cada livro ou série traga como personagem principal alguém de uma cultura diferente com características diferentes e histórias de vida diversas. Quero que minhas personagens femininas (não apenas as principais) mostrem força, coragem e inteligência, não serem apenas indefesas, inseguras, superficiais, dependentes ou qualquer das coisas que estão disseminadas em milhares de livros (e filmes, propagandas, etc.) por aí. Como todos nós elas podem ser as heroínas de suas próprias histórias, sem ficar a espera de que alguém as salve. Também quero que meus personagens masculinos possam ser sensíveis, companheiros, educados e não controladores, e ainda serem considerados homens (independente de suas opções sexuais). Os livros deveriam nos ajudar a viver realidades diferentes das nossas e ao mesmo tempo fazer com que nos sintamos identificados com aquilo. Deveríamos ser representados e também vivenciar experiências que fogem à nossa realidade, mas que criem empatia com outros que vivam aquelas situações. A arte não deve criar ainda mais desigualdade do que já existe.

-Uma mensagem para os leitores/escritores que estão cada dia entrando nesse meio, e desejam ter seu livro publicado, qual seu conselho a eles?
R= Se escrever é a paixão de vocês, lutem por isso. O caminho não é fácil, leva tempo para se construir uma carreira sólida e um trabalho bem feito, mas vale a pena. Lutem para se tornar os profissionais sérios e dedicados que os leitores e as editoras irão valorizar no futuro. Os frutos do seu trabalho virão naturalmente como consequência. Não seja o escritor inalcançável, mantenha contato com seus leitores, dê atenção e tempo a eles, pois todo o trabalho que você desenvolveu é principalmente para eles. Dispenda tempo para fazer um trabalho de qualidade, não lance sua obra de qualquer maneira, independente do gênero que você queira escrever ou da forma que você pretenda disponibilizá-lo para o mercado. Se você tem uma boa história, divida-a com o mundo. Crie personagens que inspirem as pessoas, que as façam refletir sobre si mesmas. E divirta-se.

Nenhum comentário:

Postar um comentário